Quatro Cinco Um,

Ouça o primeiro episódio do podcast 451 MHz

Programa está disponível no site da revista e nas principais plataformas de distribuição de podcasts

05jul2019 - 22h30

Está disponível gratuitamente no site da Quatro Cinco Um e nas principais plataformas de podcasts brasileiras o primeiro episódio do podcast 451 MHz, o podcast da revista dos livros. 

Ouça agora mesmo:

Clique aqui para acessar a página de repertório do 451 MHz #1, com listas, links, sugesões de leitura e informações sobre os entrevistados do episódio de estreia.

Saiba mais sobre o 451 MHz

Apresentado pelo editor da revista, Paulo Werneck, com direção de Paula Scarpin, o 451 MHz tem como tema de seu primeiro episódio a Festa Literária Internacional de Paraty.

Os entrevistados são a curadora da festa, Fernanda Diamant, dois jovens autores convidados, Miguel Del Castillo e Jarid Arraes, dois resenhistas que comentaram na Quatro Cinco Um o livro Cat Person, de Kristen Roupenian, e a poeta, pesquisadora e slammer Roberta Estrela D'Alva. O colunista da Quatro Cinco Um Paulo Roberto Pires, macaco velho da festa, também conversa com Werneck sobre o mais importante festival literário brasileiro.

Produção da Rádio Novelo para a Associação Quatro Cinco Um, que publica a revista Quatro Cinco Um, o podcast 451 MHz terá duas edições mensais: uma na primeira sexta-feira do mês, coincidindo com a publicação da revista, e outra na terceira sexta do mês.

Para escutá-lo, basta acessar a página do podcast no nosso site ou então assinar gratuitamente o 451 MHz nos principais tocadores  — veja no pé deste texto os links para aqueles em que o nosso podcast já está disponível. 

Mas que raios é um podcast?

A cada ano, a equipe do Oxford English Dictionary elege uma "palavra do ano" que se torna verbete do mais importante dicionário da língua inglesa — a tentativa dos dicionaristas é captar tendências culturais mais duradouras que as gírias ou neologismos da moda. Em 2013, a Word of the Year foi selfie; em 2012, GIF. Mas nem sempre eles acertam — em 2004, por exemplo, a Word of the Year foi chav, epíteto pejorativo usado no Reino Unido para designar jovens que usam roupas esportivas e têm comportamento antissocial. Aparentemente, não pegou.

Em 2005, no entanto, foi o contrário: nem vamos precisar explicar o significado das palavras eleitas naquele ano, pois as duas se tornaram sinônimos de obsessões culturais duradouras de nossos dias: podcast (Estados Unidos) e sudoku (Reino Unido). 

Junção de "iPod"— engenhoca criada pela Apple para tocar música, atualmente substituída pelos smartphones — e "broadcast" — isto é, "difusão" —, o podcast é um arquivo de áudio disponibilizado na Internet para download em computadores ou dispositivos móveis, tipicamente apresentados em séries, cujas publicações podem ser recebidas por assinantes automaticamente. Isso é o que diz o verbete "podcast" do Oxford em sua acepção de substantivo — pois "podcast", como acontece na maleável língua inglesa, também pode ser um verbo. Então vamos podcastar.

Humanização da informação

O formato, bastante simples, permitiu a renovação de um meio de comunicação que parecia fadado ao desaparecimento: o rádio. A principal diferença de um podcast em relação a um programa radiofônico tradicional é que ele pode ser ouvido a qualquer horário e tempo, ainda que muitos ouvintes esperem impacientes o momento da publicação para poder ouvir "em tempo real" cada novo episódio. 

"Existem diferentes aplicativos próprios para podcast que permitem, inclusive, que o ouvinte possa fazer download de episódios para ouvir quando estiver offline", explica Kellen Moraes, gerente de produto digital da Rádio Novelo, responsável pela distribuição do 451 MHz. "Esses aplicativos também permitem que o usuário assine seus podcasts preferidos e receba notificações sempre que um novo episódio estiver disponível." Para quem não quer baixar aplicativos, é possível ouvir o 451 MHz diretamente no site da revista.

Do lado do ouvinte, poder "deslocar" o momento de ouvir rádio certamente foi decisivo, mas o fenômeno não seria o que é sem outro elemento crucial, do lado de quem produz: o bom e velho jornalismo, feito com apuro editorial e com qualidade técnica na produção e distribuição. Caiu como uma luva para conteúdos com vocação para ter vida longa, naturalmente destinados ao texto escrito — que enfrenta filas em criados-mundos de todo o mundo — ou a formatos mais caros como a TV ou o documentário. 

O podcast parece funcionar muito bem nos dias acelerados que vivemos: o podcast mostrou-se adequado para o consumo de conteúdos os mais diversos, de notícias a debates específicos sobre os mais variados assuntos, enquanto realizamos tarefas do dia a dia como cozinhar, dirigir, andar de transporte público, fazer esportes ou mesmo caminhar. "Isso permite um acesso privilegiado que nenhum outro formato consegue ter", analisa Kellen Moraes. "O podcast é, no fim das contas, uma companhia, uma relação entre quem apresenta e quem ouve, é a humanização do consumo da informação." 

Relativamente fácil de produzir e com a adesão maciça de novas gerações, o podcast foi ganhando adesão espontânea ao redor do mundo. Hoje já existem 600 mil podcasts no planeta — e um quatro dos brasileiros com acesso à internet já ouviu um, segundo pesquisa do Ibope. Este parece ser o momento em que o formato pegou no Brasil, que há alguns anos já tem podcasters de todos os perfis, tamanhos e gostos. Com essa adesão do público, somada a investimentos de grandes corporações interneacionais da internet e de jornais, revistas e grupos de mídia, o podcast entrou na circulação sanguínea da imprensa brasileira.

Para a Quatro Cinco Um, o podcast da revista é fundamental para expandir o projeto e oferecer gratuitamente outra forma de fruir o nosso conteúdo, o que contribui para o objetivo da Associação Quatro Cinco Um, que é levar o livro para o centro das discussões do país. Ainda no segundo semestre de 2019 a revista lançará outros podcasts, entre eles o Biblioscópio, de divulgação científica, projeto comandado pela editora Fernanda Diamant com apoio do Instituto Serrapilheira. 

 
Ficha técnica:
O 451 MHz é uma produção da Rádio Novelo para a Quatro Cinco Um
Apresentação: Paulo Werneck
Direção: Paula Scarpin
Edição: Mari Romano e Paula Scarpin
Produção: Aline Scudeller
Produção musical: Guilherme Granado e Mario Cappi 
Finalização e mixagem: João Jabace
Identidade visual: Quatro Cinco Um
Coordenação digital: Kellen Moraes
Gravado no estúdio Tyranosom
Para falar com a equipe: [email protected]