Repertório 451 MHz,

Fabulações de Carolina

Tema de episódio do podcast 451 MHz, Carolina Maria de Jesus ganha exposição e lançamento de livros inéditos

06ago2021 - 04h51

Está no ar o quadragésimo quinto episódio do 451 MHz, o podcast da revista dos livros! Duas vezes por mês, trazemos entrevistas, debates e informações sobre os livros mais legais publicados no Brasil. Neste episódio, o apresentador Paulo Werneck convida a editora da Quatro Cinco Um Paula Carvalho a conversar com a jornalista Yasmin Santos e o biógrafo Tom Farias sobre Carolina Maria de Jesus.

O 451 MHz tem apoio dos Ouvintes Entusiastas. Seja um você também! O 451 MHz tem ainda apoio do banco digital brasileiro C6 Bank e dos podcasts Rádio Companhia, da Companhia das Letras, e Quarta Capa, da Todavia.

Ouça o episódio aqui e agora:

Além da favela

Carolina Maria de Jesus (1914-77), capa da edição de agosto da Quatro Cinco Um e uma das maiores escritoras do Brasil, é o tema deste episódio que recebe a jornalista Yasmin Santos e Tom Farias, pesquisador e biógrafo de Carolina, ambos colaboradores da Quatro Cinco Um. Na revista, Santos aborda a polivalência artística de Carolina e Farias explora sua faceta política. Além destes temas, eles conversam no 451 MHz sobre o estereótipo de escritora favelada, o descaso com a conservação dos originais de Carolina e a atualidade de sua obra — que vai muito além dos célebres diários.

A edição traz ainda um texto assinado pela jornalista Stephanie Borges, que faz uma leitura de Quarto de despejo observando que os diários são um espaço de liberdade e de expressão da subjetividade e da sensibilidade das mulheres negras: “Ao escrever, Carolina Maria de Jesus não é definida por onde mora, pela profissão que exerce, pela cor de sua pele, por ser mulher ou mãe. Antes de tudo, ela é uma observadora e uma contadora de histórias”.

Muito a dizer

Publicado em 1960 pela editora Francisco Alves, Quarto de despejo foi um sucesso imediato: a tiragem inicial de dez mil exemplares esgotou-se em uma semana. Desde então, o livro foi publicado em mais de quarenta países e vendeu mais de 1 milhão de cópias. A edição mais recente comemora os sessenta anos do lançamento e saiu pela editora Ática em janeiro 2021, com prefácio de Cidinha da Silva.

     
 

Recém-lançados, os dois volumes de Casa de alvenaria — que retratam a vida da escritora depois de deixar a favela — fazem parte de um projeto da editora Companhia das Letras que incluirá diversos títulos, muitos deles inéditos, entre escritos memorialísticos, romances, poesia, música, teatro e narrativas curtas. A edição da obra é supervisionada por um conselho editorial composto por Vera Eunice de Jesus, filha de Carolina, pela escritora Conceição Evaristo e pelas pesquisadoras Amanda Crispim, Fernanda Felisberto, Fernanda Miranda e Raffaella Fernandez.


 

Entre os escritos de destaque de Carolina está o livro Diário de bitita, que trata da infância, adolescência e início da vida adulta de Carolina. O livro póstumo foi lançado pela primeira vez na França, em 1982, com o título Journal de Bitita (Éditions Métailié), chegando ao Brasil somente em 1986 pela Nova Fronteira. A edição mais recente foi lançada pela Sesi-SP Editora em 2015. No podcast, Tom Farias revela a origem do apelido “bitita”.

     
 

Farias é autor de Carolina: uma biografia (Malê, 2018), em que apresenta de forma detalhada a trajetória completa da escritora, desde a infância em Sacramento (MG). Alguns anos antes, o historiador Joel Rufino dos Santos havia lançado Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável (Editora Garamond/FBN, 2009).

Em seu devido lugar


 

A partir de setembro, o Instituto Moreira Salles (IMS) de São Paulo apresenta a exposição Carolina Maria de Jesus: um Brasil para os brasileiros, que apresenta a autora como uma intérprete imprescindível para compreender o país. A mostra parte do fato de o IMS ter sob seus cuidados dois de seus manuscritos — intitulados Um Brasil para os brasileiros — e seu disco Quarto de despejo, com composições próprias. A curadoria é do antropólogo Hélio Menezes e da historiadora Raquel Barreto, com pesquisa literária da crítica Fernanda Miranda. A exposição fica em cartaz de 25 de setembro a 30 de janeiro de 2022.

O melhor da literatura LGBTI+

No quadro, que tem apoio do C6 Bank, Humberto Werneck, jornalista, escritor e editor-sênior da Quatro Cinco Um, recomenda o conto “Frederico Paciência”, de Mário de Andrade, presente no livro póstumo Contos novos (Nova Fronteira, 2015).

Narradores do Brasil

Na coleção de episódios roteirizados Narradores do Brasil, o 451 MHz faz breves incursões no formato narrativo para explorar a vida e a obra de nossos grandes autores. Ouça agora mesmo os dois primeiros episódios, sobre Rubem Fonseca e Lygia Fagundes Telles. E, em breve, um novo episódio!

O 451 MHz é uma produção da Rádio Novelo para a Quatro Cinco Um
Apresentação: Paulo Werneck e Paula Carvalho
Coordenação Geral: Paula Scarpin e Vitor Hugo Brandalise
Produção: Gabriela Varella
Edição: Claudia Holanda
Produção musical: Guilherme Granado e Mario Cappi
Finalização e mixagem: João Jabace
Identidade visual: Quatro Cinco Um
Coordenação digital: Juliana Jaeger
Gravado com apoio técnico da Confraria de Sons & Charutos (SP).
Para falar com a equipe: [email protected]