451,

Quatro Cinco Um comemora sete anos com edição repleta de literatura

Em maio, a revista dos livros traz o especial “Minha obra completa”, sobre a escritora argentina Camila Sosa Villada que tem todos os seus livros publicados no país

01maio2024 | Edição #81

A Quatro Cinco Um de maio traz na capa o especial “Minha obra completa”, uma entrevista com a escritora argentina Camila Sosa Villada, convidada d’A Feira do Livro 2024, por Adriana Ferreira Silva. Com três lançamentos de gêneros literários variados, Villada agora tem todos os seus livros publicados no Brasil. Fotografia de Daniel Mordzinski.

Quatro Cinco Um, edição de maio 2024

Neste mês em que a revista completa sete anos, a edição traz textos sobre Ariana Harwicz e o dissenso e ambiguidade na literatura, por Kelvin Falcão Klein; grandes mulheres que abandonaram seus filhos, por Anna Virginia Balloussier; as origens galegas do português, por Carlos Alberto Faraco; o fluxo de pensamento de Clarice Lispector nas telas, por Veronica Stigger; e a construção de Júlio Pimentel Pinto sobre o tempo histórico na narração ficcional, por Odorico Leal.

A escritora argentina Ariana Harwicz (Luiz Miguel A/Divulgação)

A edição de maio vem recheada de literatura brasileira, com um ensaio sobre a amizade e as cartas de Dalton Trevisan e Rubem Braga, por Elvia Bezerra; resenhas dos romances de Ana Cristina Braga Martes, por Eugênio Bucci, e de Marcílio França Castro, por Luis Campagnoli; e uma entrevista com Luciana Gerbovic, por Iara Biderman, além de literatura estrangeira, com resenhas dos contos de horror da sul-coreana Bora Chung, por Aparecida Vilaça, e da HQ japonesa ero guro de Shintaro Kago, por Diogo Bercito.

Dalton Trevisan e Rubem Braga em Curitiba, 1968 (Acervo pessoal/Divulgação)

Mais: artigos sobre a urgência de desradicalizar a política brasileira e sobre a (in)ação do STF sobre o direito de pessoas em situação de rua; resenhas da coletânea de Angela Davis, Patricia Hill Collins e Silvia Federici que destaca a força das mulheres negras na luta democrática e do livro que investiga como o STF tornou-se protagonista político e tomou os holofotes; uma crítica do filme A memória infinita, de Maite Alberdi; e uma história de violações de direitos narrada por crianças moradoras da favela da Maré.

Ilustração de Isadora Bertholdo

Mais colunas: Juliana Borges escreve sobre o novo álbum de country music de Beyoncé; Paulo Roberto Pires analisa o pânico identitário e o neoconservadorismo; Renato Parada fotografa o poeta e ensaísta Glauco Mattoso; Ondjaki reflete sobre movimentos mínimos; Bianca Tavolari escreve sobre o filme Dias perfeitos, de Wim Wenders; e Renan Quinalha conversa com o historiador James Green sobre sua longa trajetória política e intelectual no Brasil.

Hirayama (Koji Yakusho) em cena de ‘Dias perfeitos’ (Reprodução)

+ Quatro Cinco Um: a revista dos livros comemora sete anos e quer compartilhar um pouco da trajetória ao longo desses anos. 

A edição traz destacados 15 livros e um listão com 112 lançamentos, em 24 áreas.

Livros destacados na edição:

  1. A maior mentira do mundo (Quelônio), de Luciana Gerbovic.
  2. Escritos de um viado vermelho: política, sexualidade e solidariedade (Unesp), de James N. Green.
  3. Assim nasceu uma língua: sobre as origens do português (Tinta-da-China Brasil), de Fernando Venâncio.
  4. Democracia para quem? Ensaios de resistência (Boitempo), de Angela Davis, Patricia Hill Collins e Silvia Federici. Tradução de VComunicações.
  5. As abandonadoras: histórias sobre maternidade, criação e culpa (Zahar), de Begoña Gómez Urzaiz. Tradução de Eliana Aguiar.
  6. A namorada de Sandro (Planeta), de Camila Sosa Villada. Tradução de Joca Reiners Terron.
  7. A viagem inútil — Trans/escrita (Fósforo), de Camila Sosa Villada. Tradução de Silvia Massimini Felix.
  8. Tese sobre uma domesticação (Companhia das Letras), de Camila Sosa Villada. Tradução de Silvia Massimini Felix.
  9. Coelho maldito (Alfaguara), de Bora Chung. Tradução de Hyo Jeong Sung.
  10. Pedacinhos (DarkSide), de Shintaro Kago. Tradução de Luiz Claudio Bodanese.
  11. O último dos copistas (Companhia das Letras), de Marcílio França Castro.
  12. Sobre o que não falamos (Editora 34), de Ana Cristina Braga Martes.
  13. Sobre literatura e história: como a ficção constrói a experiência (Companhia das Letras), de Júlio Pimentel Pinto.
  14. O ruído de uma época: aforismos, correspondências e ensaios (Instante), de Ariana Harwicz. Tradução de Silvia Massimini Felix.
  15. Eu devia estar na escola (Editora Caixote), por muitas crianças moradoras de favelas da Maré.

Matéria publicada na edição impressa #81 em maio de 2024.