Literatura em língua francesa,

Diálogos transatlânticos

Uma editora em prol da diversidade da literatura brasileira na França

16dez2021 - 19h22 | Edição #52

Em 2018, ano dos dados mais recentes sobre o mercado editorial na França, foram lançados pouco mais de 80 mil novos títulos no país. Quase um quinto destes foram de obras traduzidas, mas apenas 73 vieram de livros escritos em língua portuguesa — o que equivale a cerca de metade do que foi traduzido do holandês ou do russo, e um décimo dos títulos que vieram do alemão naquele mesmo ano.

O espaço para a literatura e para os autores brasileiros em uma das maiores vitrines de leitores na Europa parece ainda ser menor do que poderia ser. E foi olhando para esta lacuna, há pouco mais de uma década, que Paula Anacaona viu uma oportunidade e criou uma editora exclusivamente dedicada a publicar a diversidade de vozes do Brasil.

“Aqui na França normalmente os editores criam suas ‘maisons’ usando seu próprio sobrenome, há uma tradição em dizer quem indica a obra. Eu fiz o contrário: escolhi o nome da editora e passei a usá-lo como sobrenome”, diz Paula, que se recusa a revelar mais do que isso. A Anacaona Éditions nasceu assim em 2009.

Resistência

Anacaona é o nome de uma cacique da etnia Taïno, líder de uma das primeiras grandes resistências indígenas à colonização no que é hoje o Haiti. “A decolonização das histórias narradas ainda é um processo lento e muito urgente”, conta, sobre a escolha do nome que mais tarde seria também o assunto de um de seus romances históricos.

“A descoberta da literatura latino-americana aqui na França veio com o realismo mágico, mas o Brasil ficou de fora. Tem a ver com o peso do pensamento colonizador sobre quem são os detentores do conhecimento, e, portanto, os autores por primazia de livros”, diz. “Já entrei em muitas discussões sobre a imagem que se faz do brasileiro, ainda ligada à cordialidade e não a uma racionalidade ou intelectualidade a ser ‘exportada’.”

Paula tem sempre uma leitura fina e política sobre o contexto. E a editora faz parte desta sua maneira de olhar para o mundo.
“Antes de lançar minha editora, já fazia traduções de obras brasileiras para outras editoras francesas. Em uma das muitas viagens ao Brasil, que começaram em 2003, estava indo para uma pequena cidade em Minas Gerais, de ônibus, com um livro do Férrez na mão, para enfrentar o trajeto de sete horas que tinha pela frente. Li sem parar, até o fim.”

Quando voltou a Paris, conta que sugeriu a obra para diversas editoras com as quais estava acostumada a trabalhar, e só recebeu negativas. “Eram negativas acima do tom, como se houvesse um problema evidente com a obra, sem justificativa. Aquilo me incomodou. Minha hipótese é que elas tinham encontrado um autor que não tinha se resignado a ficar no seu lugar de periférico. Ele não ia falar só de rap ou hip-hop. Ele era um intelectual.”

O Manual prático de ódio, do escritor e poeta paulistano Férrez, foi o livro que lançou a Anacaona Éditions. 

Brasilidade

Tradutora com títulos acadêmicos em espanhol e em inglês, Paula foi aprender o português brasileiro — especifica — depois que já tinha saído da universidade. “Meus amigos brincam que devo ter nascido no Brasil em vidas passadas.”

‘Foi no Brasil que me falaram que eu era negra e da diversidade das pessoas negras’

“Meu pai é negro e minha mãe é branca, mas eles se divorciaram muito cedo. Eu fui criada pela minha mãe e até uns vinte anos eu simplesmente não pensava na minha cor. Eu não tinha nenhuma referência, e na busca da minha identidade fui me educar. O Brasil foi muito importante para mim neste percuso. Foi ali que me disseram que eu era negra, que me falaram da diversidade das pessoas negras e onde o movimento negro me acolheu de forma generosa”, conta.

Em 2015, quando o Brasil foi o país homenageado no Salão do Livro de Paris, o auge da presença literária na França, a consagrada escritora mineira Conceição Evaristo ganhava a primeira tradução em francês de sua obra com o lançamento L’histoire de Poncia (Ponciá Vicêncio), pela Anacaona Éditions. Depois dele, outros dois entraram no catálogo: Banzo, mémoires de la favela (Becos da memória), em 2016, e Insoumises (Insubmissas lágrimas de mulheres), em 2017.

Paula não faz apenas a curadoria das obras, mas traduz ela mesma para o francês a maioria dos títulos que publica. E já fez até diagramação e escolheu capas “minimalistas” para conseguir publicar os livros. “Meu engajamento feminista, antirracista e pela ecologia passa também por colocar em risco minha vida financeira em prol da difusão das ideias contidas nos livros que publico.”

Hoje, às vésperas de completar doze anos, a Anacaona Éditions tem uma operação no azul, com vendas principalmente pelo site e com leitores que acompanham as novidades nos canais de comunicação próprios. “Temos uma comunidade!”

Discussões contemporâneas

Paula acredita que esta virada comercial tem a ver também com a decisão de publicar ensaios e outros livros de não ficção muito conectados com as discussões da contemporaneidade sobre feminismo e raça. 

O primeiro da coleção Epoca, lançada em maio de 2019, foi La place de la parole noire (Lugar de fala) — que já está na terceira reimpressão —, seguido rapidamente de Chroniques sur le féminisme noir (Quem tem medo do feminismo negro?), ambos da ensaísta e ativista Djamila Ribeiro. 

Em dezembro, a Anacaona Éditions lança um livro inédito em parceria com a editora brasileira Bazar do Tempo. Dialogue Transatlantique (Diálogo Transatlântico), de Djamila Ribeiro e Nadia Yala Kisukidi, discute o feminismo negro a partir de uma visão da diáspora e dos pontos de encontro e desencontro nos diferentes lados do atlântico. A conversa entre as intelectuais  brasileira e francesa de origem congolesa, ambas com títulos em filosofia, se estende por quase duzentas páginas. A edição francesa traz ainda um prefácio da autora e especialista em diáspora africana Maboula Soumahoro.

Quem escreveu esse texto

Izabela Moi

É diretora executiva da Agência Mural de Jornalismo das Periferias.

Matéria publicada na edição impressa #52 em outubro de 2021.