Literatura,

Nova edição da Granta trata dos outros em primeira pessoa

Revista literária mais prestigiosa do mundo traz seleção de autores consagrados e novas apostas da literatura olhando para os que são diferentes deles

18ago2023 - 17h01 | Edição #73

A alteridade, conceito explorado em muitos campos de conhecimento – psicanálise, literatura, ciências sociais e políticas –, atravessa as páginas da 10ª Granta em Língua Portuguesa: O Outro, publicação da Tinta-da-China Brasil (selo editorial da Associação Quatro Cinco Um) que chega às livrarias.

Para tratar do tema, os editores da Granta lusófona reuniram autores consagrados e em ascensão – desde sua criação, no século 19, na Inglaterra, a revista é celeiro de novos escritores. Sob a direção editorial de Pedro Mexia (Portugal) e Gustavo Pacheco (Brasil), a edição traz contos, ensaios, trechos de romance e dois ensaios fotográficos que investigam a alteridade no encontro de civilizações, nas relações pessoais e na subjetividade.

Foto de Eduardo Viveiros de Castro [Divulgação]

A revista abre com um trecho de Still Pictures, livro póstumo de Janet Malcolm, no qual ela conta histórias de sua origem checa e sua situação de imigrante. Ernesto Mané contribui com um excerto do seu livro Eu sou o outro do outro, misto de ensaio, diário de viagem e relato autobiográfico a ser publicado em 2024 pela Tinta-da-China Brasil.

Seguem-se contos e ensaios de Valério Romão, Marta Hugon, Adam Dalva, César Aira, Olavo Amaral, Isabela Figueiredo, Natércia Pontes, Ali Smith, Teresa Veiga, Aparecida Vilaça, Francesca Wade e ensaios fotográficos de Mag Rodrigues e Eduardo Viveiros de Castro.

Uma revista centenária e novos lançamentos

A Granta foi fundada em 1889 por estudantes da Universidade de Cambridge e tem em seu histórico o peso de ter revelado nomes como Sylvia Plath e Ian McEwan. Susan Sontag, Milan Kundera e Gabriel García Márquez também passaram por suas páginas. Além da edição britânica, a Granta tem onze edições internacionais.

No Brasil, a revista estreou em 2012, durante a Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, com uma edição que celebrava os melhores jovens escritores do país e reunia textos de nomes como Antonio Prata, Michel Laub, Tatiana Salem Levy e Vanessa Barbara. Em 2018, a versão portuguesa se uniu à brasileira, passando a se chamar Granta em Língua Portuguesa.

Fotos de Mag Rodrigues [Divulgação]

Em formato de livro, a Granta em Língua Portuguesa é o espaço de fermentação de novas escritas, de novas gerações de autores e da presença dos grandes escritores nacionais e internacionais.

Já a Tinta-da-China, uma das editoras mais inventivas de Portugal, aportou no Brasil em 2012 e desde 2022 é o selo editorial da Associação Quatro Cinco Um. Cumprindo a função da associação de difusão da cultura do livro, a editora tem uma série de lançamentos previstos para os próximos meses.

Salazar e os fascismos, do historiador português Fernando Rosas, deve chegar às livrarias em breve. Em outubro, a nova coleção “Ensaio Aberto”, organizada por Tatiana Salem Levy e Pedro Duarte, será inaugurada com dois novos títulos: A parte maldita brasileira, de Eliane Robert Moraes, e Não escrever (com Barthes), de Paloma Vidal. Em novembro está previsto o lançamento de Morte e ficção do rei Dom Sebastião, do historiador português André Belo.

   

Ao assinar a Granta em Língua Portuguesa, você recebe o vol. 10: O Outro e ganha o vol. 1: Fronteiras.*

*Promoção válida enquanto durar o estoque

Quem escreveu esse texto

Tinta-da-China Brasil

Matéria publicada na edição impressa #73 em agosto de 2023.