Literatura,

Ela ousou fazer história

Primeiro romance escrito por uma mulher e por uma pessoa negra no Brasil ganha quatro edições

28nov2018 - 12h24 | Edição #19 dez.18/fev.19

Negra, chamada de “mulata” e “bastarda”, nascida numa família sem recursos, Maria Firmina dos Reis pode ser considerada, sem a menor sombra de dúvida, uma pioneira. Autodidata, foi a primeira mulher aprovada num concurso público no Maranhão — para o cargo de professora de ensino primário —, tendo fundado a primeira escola mista e gratuita do Brasil. Tamanho escândalo causou que sobreviveu apenas por três anos. 

Seu livro Úrsula, o primeiro romance abolicionista brasileiro (publicado em 1859) e o primeiro a ser escrito por uma mulher e por uma pessoa negra no Brasil, é relançado por quatro editoras neste ano.

Maria Firmina dos Reis nasceu em 11 de março de 1822, em São Luís do Maranhão, filha de pai negro, João Pedro Esteves. Sua mãe, Leonor Felipa, era uma mulher negra alforriada. Para ter melhores chances de vida, mudou-se com a mãe para a casa de uma tia em Guimarães (ma). Morreu pobre e cega, em 1917.

Desafiando a hegemonia

Úrsula, publicado originalmente sob o pseudônimo “Uma Maranhense”, conta a história de um casal branco que se apaixona tragicamente. Impedidos de viver o amor pelas intrigas familiares, o par de ingênuos é cercado por dor e morte. 

Seu ineditismo estava na contundente crítica à escravidão. A misoginia e o racismo são expostos com crueza e juízo, bem como o patriarcado e o escravagismo — nenhum deles desfila intacto. Num contexto literário em que as pessoas negras eram menos do que paisagens de fundo, a autora cria personagens que refletem sobre suas condições e expõem os escravizadores como bárbaros — invertendo o discurso hegemônico. Em suas linhas identificamos a voz dos escravizados, uma voz com subjetividade e ponto de vista. 

Apesar da evidente relevância histórica, tanto Úrsula como sua criadora permaneceram esquecidos até 1962, quando o historiador paraibano Horácio de Almeida encontrou um exemplar num sebo carioca. Houve então uma reedição em 1975 e depois outra em 1988 pela Editora Presença, com o apoio do MinC/Pró-Memória. Em 2004, a Editora Mulheres lançou mais uma reedição. No entanto, mesmo com essas redescobertas, Reis continuou anônima para a maioria dos brasileiros e esquecida pelas escolas. Rara exceção, é leitura obrigatória para o vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

A misoginia e o racismo são expostos com crueza e juízo, bem como o patriarcado e o escravagismo — nenhum deles desfila intacto

Reis tinha consciência das forças que lutariam contra ela em seu presente e no futuro. Na introdução do livro, apresenta-se com palavras que alguns leem como mostra de sua humildade: “Sei que pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e a conversação dos homens ilustrados, que aconselham, que discutem e que corrigem, com uma instrução misérrima, apenas conhecendo a língua de seus pais, e pouco lida, o seu cabedal intelectual é quase nulo”. Apesar de saber que muitos receberiam o livro com “indiferença glacial” e “riso mofador”, publica-o como uma “tentativa”, porque, como um filho, era seu. E mais: ao final, dedica-o a outras mulheres, desejando que “sirva esse bom acolhimento de incentivo para outras”.

Conhecedora da trajetória de Reis e sabendo que, durante uma homenagem, ela se recusou a subir nas costas de uma pessoa escravizada para ser conduzida ao palco, entendo a introdução menos como um ato de modéstia que como um enfrentamento. Há a lúcida consciência de seu papel político e, talvez, um toque de deboche.

Cada uma das quatro novas edições nos aponta esse papel. São excelentes em convocar seus times de pesquisadores e especialistas para apresentar a autora, sua história e sua escrita. Os dados pouco variam de uma apresentação para outra. 

Maria Helena Pereira Toledo Machado, na introdução da Penguin/Companhia das Letras, afirma que, segundo novas pesquisas, Nísia Floresta teria publicado entre 1855 e 1856, no jornal O Brasil Ilustrado (Niterói, rj), em formato de folhetim, Páginas de uma vida obscura, sugerindo que talvez seja Floresta, que assinava com as iniciais B. A. (Brasileira Augusta), a primeira
 a lançar um romance abolicionista. 

Já na edição da Zouk, há a informação de que, no mesmo ano em que Úrsula foi lançado, publicou-se no Rio de Janeiro o romance D. Narcisa de Villar — Legenda do tempo colonial, de Indígena do Ipiranga, pseudônimo de Ana Luísa de Azevedo Castro, também como folhetim, no jornal A Marmota, de 13 de abril a 6 de julho de 1858.

A edição da Taverna tem um projeto gráfico mais jovem, ilustrado por Gabriela Pires, e, assim como todas as outras, destaca Preta Susana, personagem em que a autora coloca muito do seu abolicionismo. 

Dentro de um navio negreiro

Preta Susana conta como foi traficada da África ao Brasil e descreve a extrema desumanização do navio negreiro. Se hoje o impacto da descrição dos porões ainda revira nosso estômago, quão poderosa e impactante teria sido a fala dessa mulher no ano de publicação do romance? Além disso, Reis confere à personagem algo muito valioso: uma narrativa humana e bonita de uma pré-escravidão. Marido, filha, amigas com quem corria e ria na praia enquanto recolhia conchas. Uma África não selvagem, negação do argumento escravista.

Ela também escreveu “Hino à libertação dos escravos”, o romance indianista Gupeva (1861), o conto abolicionista “A escrava” (1887) e diversos poemas publicados em jornais, na antologia Parnaso maranhense (1861) e em seu livro Cantos à beira-mar (1871). 

Maria Firmina dos Reis adotou onze crianças, algumas delas filhas de pessoas escravizadas, e seu “álbum de recordações” é considerado o primeiro diário de uma mulher publicado no Brasil. Ela é reconhecida como a fundadora do que muitos consideram a literatura afrobrasileira.

Quem escreveu esse texto

Jarid Arraes

Poeta e cordelista, é autora de Redemoinho em dia quente (Companhia das Letras).

Matéria publicada na edição impressa #19 dez.18/fev.19 em novembro de 2018.