Narradores do Brasil, Repertório 451 MHz,

Nelson Rodrigues: sexo, mentiras e folhetim

Episódio narrativo traz entrevistas raras do autor de ‘O casamento’ e percorre a geografia moral e sentimental do Rio dos anos 1960

27ago2021 - 08h08

Está no ar o terceiro episódio da coleção Narradores do Brasil, do 451 MHz, o podcast da revista dos livros! 

Nelson Rodrigues: sexo, mentiras e folhetim é o terceiro episódio em formato narrativo publicado pelo podcast. Os programas perfilam grandes autores e autoras da literatura brasileira, procurando mostrar como a ficção espelha questões centrais da vida do país. Rubem Fonseca e Lygia Fagundes Telles foram os primeiros autores a receber a homenagem. 

Nelson Rodrigues: sexo, mentiras e folhetim

Nelson Rodrigues foi um mestre em muitos gêneros literários, mas foi no romance e no folhetim que encontrou a voz narrativa ideal para contar suas obsessivas histórias de amor, sexo e traição. Mas de onde ele tirava tudo aquilo? A resposta está em velhos manuais sexuais, no discurso de padres, nos consultórios dos ginecologistas e no mapa da moral (e da pegação) no Rio dos anos 60: cinemas, garçonnières, praias desertas e barzinhos que serviam como motel.

O episódio percorre a geografia moral e sentimental de O casamento, Asfalto selvagem e outros livros que retratam um Rio que já não existe mais, a não ser na obra de Nelson, autor que se definia como essencialmente carioca, apesar de ter nascido em Pernambuco. 

Asfalto selvagemO casamento e outros folhetins

    
 

Asfalto selvagem foi uma febre ao ser publicado no Correio da Manhã, em 1960. No livro, Nelson fundiu as histórias rocambolescas que publicava com o pseudônimo Suzana Flag com a dramaturgia premiada que mostrava nos palcos da Zona Sul. O livro ainda leva uma boa dose de vida real: Nelson trouxe para a história amigos, conhecidos e até gente que mal conhecia. Personagens como o escritor mineiro Otto Lara Resende, o jornalista Wilson Figueiredo, o pesquisador musical José Ramos Tinhorão interagem com os personagens de ficção, interferem na trama e até são acusados de crimes. 

Bomba de efeito imoral

O casamento, de 1966, foi o único projeto de Nelson concebido para virar livro sem antes passar pelo jornal ou pelo palco. Encomendado pelo editor Carlos Lacerda, que pouco depois do Golpe de 64 dava um tempo de suas agitações políticas, o romance acabou se revelando uma bomba de efeito imoral sobre a família brasileira que acabara de ajudar os militares a instaurar uma ditadura — apoiada por Nelson Rodrigues, diga-se.

Essa mesma ditadura decidiu proibir o romance quando ele alcançava o topo das listas de mais vendidos, em nome da defesa de uma das instituições fudamentais da sociedade brasileira: o matrimônio. O livro foi abatido em pleno voo. A censura caiu em 67, mas o clima político no país foi se fechando e a força do romance acabou sendo deixada de fora do debate cultural da época. Lido hoje, O casamento, que conta os bastidores do matrimônio de Glorinha, uma patricinha da Zona Sul às voltas com o amor doentio do pai, se afirma hoje como uma das mais bem realizadas obras de Nelson Rodrigues.

Vozes

O episódio tem a participação da historiadora Mary Del Priore, do historiador (e especialista em Rio de Janeiro) Luiz Antonio Simas e do poeta Paulo Henriques Britto. A voz de Nelson Rodrigues pode ser ouvida nos áudios extraídos do depoimento histórico que o autor deu para o Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro— MIS-RJ, em 1967, e de uma entrevista concedida em 1979 ao atual editor-sênior da Quatro Cinco Um, Humberto Werneck, para a revista Playboy.

Nessas entrevistas, Nelson comenta a incompreensão da crítica em torno de O casamento, fala de sua infância, na Tijuca, Zona Norte do Rio, quando escreveu sua primeira A Vida Como Ela É — uma história de adultério e crime — e expõe sua visão sobre o sexo — que segundo ele "nunca fez um santo", apenas "pulhas" e "desgraçados". Nelson ainda disserta sobre religião ("tem um pessoal aí que está traindo a Igreja com maior tranquilidade, do Papa ao sacristão") e também sobre o amor.

Trechos dos romances e folhetins de Nelson são lidos pela atriz Martha Nowill e pelo escritor pornógrafo Reinaldo Moraes. O episódio tem roteiro e apresentação de Paulo Werneck, diretor de redação da Quatro Cinco Um.
 


Mary Del Priore  [Karen Louise]
 

A historiadora Mary Del Priore, autora de um livro sobre a história da sexualidade no Brasil, conversa com o apresentador Paulo Werneck sobre o ambiente moral e cultural de O Casamento e comenta a cena do livro em que o noivo recebe a promessa de um cheque de cinco milhões para se casar com Glorinha.
 


Luiz Antonio Simas  [Edu Goldenberg]
 

Um dos grandes especialistas em Rio de Janeiro, Luiz Antonio Simas foi criado, assim como o Nelson e o Paulo Henriques Britto, na Tijuca, na Zona Norte. No episódio, ele contou que como aquela sociedade era mais tradicional que as badaladas praias da Zona Sul e considerava Nelson um autor maldito e pornográfico.
 


Paulo Henriques Britto  [Arquivo pessoal]
 

O premiado poeta, escritor e tradutor carioca Paulo Henriques Britto, também nascido na Tijuca, fala sobre locais tradicionais para encontros furtivos entre namorados nos anos 1960, como o Bar do Pepino, para os lados da Barra e de São Conrado, e assistir à "corrida de submarinos" — namorar no carro, de frente para o mar e praias desertas.
 


Humberto Werneck  [Paulo Leite]
 

Jornalista e editor sênior da Quatro Cinco Um, Humberto Werneck entrevistou Nelson Rodrigues em 1979 para a revsta Playboy. O material foi cedido por Werneck, e trechos podem ser ouvidos no programa.

#DesafioNelson

No final do episópio, lançamos o #desafiolnelson. Quem der a resposta mais criativa, na opinião da equipe da revista, ganha um kit com O casamento e outras obras de Nelson Rodrigues lançadas pela Harper Collins. Para participar, publique a sua resposta nas redes sociais, FacebookTwitter e Instagram, com a hashtag #desafionelson e marque o perfil da revista (@quatrocincoum) até o dia 15 de setembro. No dia 24 de setembro, o ganhador será anunciado no 451 MHz e nas redes da Quatro Cinco Um. As respostas poderão ser divulgadas no site, na newsletter e nas redes da revista. Ouça o episódio para saber mais.

O 451 MHz tem apoio dos Ouvintes Entusiastas. Seja um você também!

O episódio especial Nelson Rodrigues: sexo, mentiras e folhetim foi feito com o apoio da HarperCollins.

O episódio "Nelson Rodrigues: sexo, mentiras e folhetim" é uma produção da Rádio Novelo para a Quatro Cinco Um
Direção geral e apresentação: Paulo Werneck
Participação especial: Martha Nowill e Reinaldo Moraes
Coordenação geral: Vitor Hugo Brandalise
Roteiro: Paulo Werneck
Produção: Ashiley Calvo
Edição: Claudia Holanda
Direção de locução: Gabriela Varella
Sonorização: Julia Mattos
Música tema: Guilherme Granado e Mario Cappi
Trilha adicional: Daniel Limaverde
Finalização e mixagem: João Jabace
Ilustração: Rafa Campos Rocha
Identidade visual: Julia Monteiro
Coordenação digital: Juliana Jaeger
Gravado com apoio técnico dos estúdios Rastro, no Rio de Janeiro, e Confraria de Sons & Charutos, em São Paulo.
Neste episódio, foram lidos trechos de "O Casamento" e "Asfalto selvagem", de Nelson Rodrigues, e de "Nossa vida sexual", de Fritz Kahn.
Com áudios do Museu da Imagem do Som do Rio de Janeiro, pesquisados pela Angélica Paulo, e da entrevista de Humberto Werneck para a Playboy em 1979.
Para falar com a equipe: [email protected].br