Repertório 451 MHz,

Literatura em alto e bom som

No 451 MHz, Helena Aragão e Maria Stockler Carvalhosa conversam sobre a leitura em voz alta de livros, desde os lectores de tabaquería em Cuba até a produção de audiolivros no Brasil

26maio2023 - 01h21

Está no ar o 88º episódio do 451 MHz, o podcast da revista dos livros. O tema deste episódio é voltado para a leitura em voz alta de livros, desde o ofício de lectores de tabaquería nas fábricas de charuto de Cuba até o crescimento do consumo de audiolivros no Brasil. A jornalista Helena Aragão e a editora de audiolivros Maria Carvalhosa conversam sobre os vários aspectos dessa outra forma sensorial de entrar em contato com a literatura.

Duas vezes por mês, trazemos entrevistas, debates e informações sobre os livros mais legais publicados no Brasil. O 451 MHz tem apoio da Companhia das Letras. Assinantes da Quatro Cinco Um possuem 25% de desconto para compras direto no site da editora.

Lendo em voz alta

    
A jornalista Helena Aragão e a editora de audiolivros Maria Stockler Carvalhosa [Acervo pessoal; Renato Parada]

A Helena Aragão é jornalista e colaboradora da Quatro Cinco Um. Ela publicou na edição de março uma matéria sobre as tabaquerías, as fábricas de Cuba onde são produzidos os charutos mais caros e valiosos do mundo. Eles são fabricados enquanto os enroladores escutam histórias e leituras de livros pelos chamados lectores de tabaquería. Esse ofício existe desde meados do século 19 e se tornou patrimônio cultural de Cuba em 2012. É uma espécie de “bisavô” dos audiolivros. 


Leitor de livros e uma trabalhadora da fábrica de charutos José L. Piedra. Cuba, 1960 [Library of Congress/Hulton-Deutsch Collection/CORBIS]

“No início, a missão era para poucos: além de ser capaz de fazer leitura fluente em uma fase em que grande parcela da população era analfabeta, era necessário ter boa dicção e conseguir dramatizar. Como os torcedores de folhas de tabaco são dispostos em grupos grandes reunidos num mesmo ambiente, todos conseguem ouvir a leitura. Ao longo do tempo, foi-se reconhecendo os benefícios desse hábito, como a difusão de conhecimento e o nascimento da consciência de classe, no lugar de um silêncio tedioso. ‘Na indústria cubana do tabaco, o lector de tabaquería se tornou um indivíduo-chave, fundamental no grupo de trabalhadores mais cultos e politizados da época em que a nacionalidade cubana era forjada e a ilha lutava por sua independência’, resume a pesquisadora mexicana Araceli Tinajero no livro El lector de tabaquería: historia de una tradición cubana”, escreve Aragão.

A Maria Stockler Carvalhosa é editora de audiolivros e abriu uma empresa, a Supersônica, para fazer livros nesse suporte. Ela já escreveu na Quatro Cinco Um sobre o universo dos audiolivros, inclusive uma resenha de Palavrear, audiolivro do poeta Ricardo Aleixo, que lê seus próprios poemas. A Maria é estudante de letras e consome muitos audiolivros desde quando ficou cega na adolescência. Ela também participou do oitavo episódio do podcast Rádio Novelo Apresenta, intitulado Maria e Café.

“O primeiro audiolivro que realmente escutei foi Antígona. Era leitura obrigatória no primeiro ano do ensino médio. Não sabia como fazer para ler um texto dramatúrgico e não estava acostumada a ter que achar formas alternativas para chegar ao mesmo conteúdo que meus colegas. Foi quando me sugeriram dar uma chance aos audiolivros. Não achei em português, então comprei a versão em inglês, da Audible, empresa associada à Amazon, a maior produtora de livros falados do mundo. Era outro formato, outra língua e um vocabulário antigo que eu não conhecia”, contou Carvalhosa.

Além de Palavrear, a editora também comenta na entrevista os audiolivros de Sol na cabeça, de Geovani Martins (Companhia das Letras, 2022), e Galáxias, de Haroldo de Campos (Editora 34, 2011).

Sobre a adaptação em audiolivro do quadrinho Sandman, de Neil Gaiman (produzido pela Audible), Carvalhosa comenta da importância dos efeitos sonoros para a ambientação desse suporte para os ouvidos.

Na opinião de Carvalhosa, a trilha sonora do audiolivro de Elke: Mulher Maravilha, de Chico Felitti (Todavia), também aparece de forma orgânica à obra.

A Supersônica, empresa de audiolivros da qual Carvalhosa é editora, vai lançar em breve um audiolivro da Annie Ernaux com voz da atriz Isabel Teixeira, entre outros.

Novas leituras

Outro aspecto bastante comentado ao longo do episódio é como o livro ganha novas camadas quando se ouve o próprio autor declamando seus poemas. Uma coisa é ler “Vou-me embora pra Pasárgada”, que traz um ar mais melancólico; outra é ouvir o próprio Manuel Bandeira declamando o poema em voz alta, trazendo um tom mais hedonista às palavras, que ele gravou para o selo Festa, um arquivo de áudio de leituras. Abaixo é possível ouvi-lo recitando em trecho do filme O poeta do castelo, de Joaquim Pedro de Andrade (1959).

Ainda sobre o selo Festa, Carvalhosa comentou que esse arquivo está sendo digitalizado e a plataforma Tocalivros está aos poucos disponibilizando esse acervo. Saíram recentemente leituras de poemas de João Cabral de Melo Neto e Federico García Lorca.

Foi um marco quando o primeiro áudio da voz de Mário de Andrade cantando “Toca Zumba” foi divulgado, refazendo a imagem que se tinha do autor, por exemplo.

O melhor da literatura LGBTQIA+

Amauri Arrais, editor e criador de conteúdo, recomenda Fun Home: uma tragicomédia em família, de Alison Bechdel, com tradução de André Conti e publicado pela Todavia em 2018.

Esse marco dos quadrinhos traz as memórias da autora norte-americana lésbica, que narra a difícil relação com o pai, tratando de sexualidade, relações familiares e literatura.

Confira a lista completa de indicações dadas no podcast 451 MHz, no bloco O Melhor da Literatura LGBTQIA+.

O 451 MHz é uma produção da Rádio Novelo e da Associação Quatro Cinco Um.
Apresentação: Paulo Werneck
Coordenação Geral: Évelin Argenta e Paula Scarpin
Produção: Ashiley Calvo
Edição: Luiza Silvestrini
Produção musical: Guilherme Granado e Mario Cappi
Finalização e mixagem: João Jabace e Luis Rodrigues, da Pipoca Sound
Identidade visual: Quatro Cinco Um
Coordenação digital: Juliana Jaeger e FêCris Vasconcellos
Para falar com a equipe: [email protected]