451,

Os Melhores Livros de 2018

Rigor matemático e debates preliminares à parte, resenhistas e colaboradores que publicaram na Quatro Cinco Um elegem os livros que fizeram sua cabeça (ou seu coração) em 2018

13dez2018 - 17h01 • 02maio2024 - 16h35 | Edição #19 dez.18/fev.19

Ficção/Poesia

Literatura brasileira

O sol na cabeça. Geovani Martins.
Companhia das Letras.
12 votos / resenhas nas edições 11 e 13

No conto de abertura,
Geovani dá um nó na gramática com seu dialeto, como se o revisor tivesse sido demitido. Estilo literário é estilo de vida (Hélio de la Peña, #13)

O pai da menina morta.
Tiago Ferro.
Todavia.
4 votos / resenha na edição 9

Sem nada a perder,
Ferro se transforma no livro-homem, em carne viva, escrita-desabafo que ganha a empatia do leitor sem requisitá-la

(Camila Appel, #9)

Alguns humanos. Gustavo Pacheco.
Tinta da China Brasil.
4 votos / resenha na edição 12

Pacheco diverte-se
explorando debilidades
de espécimes do habitat artístico, como escritores

(Odorico Leal, #12)

Um beijo por mês.
Vilma Arêas. Luna Parque.
2 votos / ver p. 8

Sebastopol. Emilio Fraia.
Alfaguara/Companhia das Letras.
2 votos / resenha na edição 18

Contos completos. Caio Fernando Abreu. Companhia das Letras.

O imponderável Bento contra o crioulo voador. Joaquim Pedro de Andrade. Todavia.

Os animais domésticos
e outras receitas.
Luana Chnaiderman. Perspectiva. resenha na edição 12

Da prosa. Hilda Hilst. Companhia das Letras.

O filho mais velho de Deus e/ou Livro IV. Lourenço Mutarelli. Companhia das Letras.

Paralisia. André Nigri. Reformatório.

O orangotango marxista.
Marcelo Rubens Paiva.
Alfaguara/Companhia das Letras.

Com armas sonolentas. Carola Saavedra. Companhia das Letras.

A um passo. Elvira Vigna. Companhia das Letras.

Kafkianas. Elvira Vigna. Todavia.

Literatura estrangeira

Caderno de memórias coloniais. Isabela Figueiredo. Todavia. 9 votos / resenha na edição 13

Isabela fere de morte o mito outrora caro ao Estado português, mas ainda hoje corrente em determinados setores, que é o mito do colonialismo benfazejo (Eduardo Sterzi, #13)

A vegetariana. Han Kang. Todavia.
4 votos / ver p. 21

Bússola. Mathias Enard. Todavia.
3 votos / resenha na edição 15

A gorda. Isabela Figueiredo. Todavia.
3 votos / resenha na edição 8

O romance luminoso. Mario Levrero. Companhia das Letras.
3 votos / resenha na edição 11

Era uma vez uma mulher que
tentou matar o bebê da vizinha.
Liudmila Petruchévskaia.

Companhia das Letras.
2 votos / resenha na edição 11

Mac e seu contratempo. Enrique
Vila-Matas.
Companhia das Letras.
2 votos / ver p. 18

4 3 2 1. Paul Auster. Companhia das Letras.

A vida escolar de Jesus. J. M. Coetzee. Companhia das Letras.
ver p. 20

O bebedor de horizontes.
Mia Couto.
Companhia das Letras.

O bosque das ilusões perdidas. Alain-Fournier. Grua Livros.

Almas mortas.
Nikolai Gógol. Editora 34.

Uma noite, Markovitch. Ayelet Gundar-Goshen. Todavia.

Nas profundezas. Joris-Karl Huysmans. Carambaia.
ver p. 13

10:04. Ben Lerner. Rocco.

O fim de Eddy. Édouard Louis. Tusquets/Planeta.
ver p. 19

A uruguaia. Pedro Mairal. Todavia.

A pele. Curzio Malaparte. Autêntica.

Meu livro violeta. Ian McEwan. Companhia das Letras.

Baratas. Scholastique Mukasonga. Nós.

O papel mata-moscas e outros textos. Robert Musil. Carambaia.

O nome na ponta da língua.
Pascal Quignard. Chão da Feira.

Quando ela era boa. Philip Roth. Companhia das Letras. resenha na edição 15

Minha casa é onde estou.
Igiaba Scego. Nós.
entrevista na edição 13

Canção de ninar. Leila Slimani. Tusquets. resenha na edição 13

Ritmo louco. Zadie Smith. Companhia das Letras.

Assombrações. Domenico Starnone. Todavia.

Infância, adolescência, juventude. Liev Tolstói. Todavia.

Poesia

Pesado demais para a ventania. Ricardo Aleixo. Todavia.
6 votos

Nenhum mistério. Paulo Henriques Britto. Companhia das Letras.
2 votos / resenha na edição 15

O que o sol faz com as flores. Rupi Kaur. Planeta.
2 votos

Nuvens. Hilda Machado.
Editora 34.
2 votos

Que tempos são estes.
Adrienne Rich.
Jabuticaba.
2 votos

Lua na jaula.
Ledusha Spinardi
. Todavia.
2 votos

Coral e outros poemas. Sophia
de Mello Breyner Andresen.

Companhia das Letras.
resenha na edição 12

O silêncio, tão visado
pela autora, é pré-linguístico, anterior à mítica separação entre coisas e palavras (Noemi Jaffe, #12)

O Senhor Dorido & outros poemas. Fernando Boigues. 7Letras.

Sobre isto.
Vladímir Maiakóvski. Editora 34.
ver p. 16

Anti-retrato. Max Martins. Ed. ufpa.

Forte apache. Marcelo Montenegro. Companhia das Letras. resenha na edição 8

Árvore de Diana.
Alejandra Pizarnik. Relicário.
resenha na edição 12

Poeta essencialista, vale-se
de teimosas e fugidias ferramentas para
a construção da solidez impossível diante
da morte (Alcides Villaça, #12)

Um corpo negro.
Lubi Prates. Nosotros.

Fora da cafua.
Gabriel Sanpêra. Urutau.

Os postais catastróficos.
Ismar Tirelli Neto. 7Letras.

Cosmogonias. Otto Leopoldo Winck. Kotter Editorial.

Quadrinhos

Todos os santos. Marcelo Quintanilha. Veneta.

Não-ficção

Antropologia

Viagem ao Volga. Ahmad Ibn Fadl?n. Carambaia.

Argonautas do Pacífico Ocidental. Bronislaw Malinowski. Ubu.
resenha na edição 18

Arte

Irving Penn: centenário.
Maria Morris Hambourg & Jeff L. Rosenheim. Instituto Moreira Salles.
resenha na edição 15

Cildo: estudos, espaço, tempo. Diego Matos & Guilherme Wisnik. Ubu.
resenha na edição 9

Biografia

Zé Dirceu – memórias – vol I.
José Dirceu. Geração Editorial.

O Tiradentes: uma biografia de Joaquim José da Silva Xavier. Lucas Figueiredo. Companhia das Letras.

Minha história. Michelle Obama. Objetiva/Companhia das Letras.

Cartas da prisão de Nelson Mandela. Sahm Venter. Todavia.

Cinema

2001: uma odisseia no espaço. Michael Benson. Todavia.

Crítica literária

Maquinação do mundo: Drummond e a mineração. José Miguel Wisnik. Companhia das Letras.
10 votos / resenha na edição 18

Wisnik é um ensaísta de poucas obras, mas profundamente original, pela identificação de questões a que procura fazer justiça com o rigor da composição
(Clara Rowland, #18)

Antonio Candido 100 anos. Maria Augusta Fonseca & Roberto Schwarz . Editora 34.

Dostoiévski na rua do ouvidor. Bruno Barreto Gomide. Edusp.

Pessoa revisitado. Eduardo Lourenço. Tinta da China Brasil.
resenha na edição 16

Sonhos da periferia.
Sergio Miceli.
Todavia.
resenha na edição 9

Direito

Tanques e togas. Felipe Recondo. Companhia das Letras.
resenha na edição 10

Divulgação científica

Como mudar sua mente.
Michael Pollan.
Intrínseca.
3 votos

A origem das espécies.
Charles Darwin.
Ubu.
ver p. 52

Ciência na alma. Richard Dawkins. Companhia das Letras.

Folha de lótus, escorregador
de mosquito.
Fernando Reinach. Companhia das Letras.
resenha na edição 12

Economia

Valsa brasileira.
Laura Carvalho.
Todavia.
2 votos / resenha na edição 13

A loucura da razão econômica:
Marx e o capital no século XXI.

David Harvey.
Boitempo.
resenha na edição 14

Tempo comprado: a crise adiada do capitalismo democrático. Wolfgang Streeck. Boitempo.

Educação

A pátria educadora em colapso.  Renato Janine Ribeiro. Três Estrelas.
ver p. 46

Ensaio

Recusa do não-lugar.
Juliano Garcia Pessanha.
Ubu.
5 votos / resenhas nas edições 10 e 13

A Ilha de Sacalina. Anton Tchékhov. Todavia.
3 votos / resenha na edição 18

Apesar de o autor se declarar apolítico, o relato é um libelo contra uma sociedade injusta e cruel, quase um manifesto político (Drauzio Varella, #18)

A morte da verdade.
Michiko Kakutani. Intrínseca.
2 votos / ver p. 29

21 lições para o século 21. Yuval Noah Harari. Companhia das Letras.

Garotas mortas. Selva Almada. Todavia.
resenha na edição 13

Anuário Todavia.
Michel Laub (org.).
Todavia.

Siderar, considerar: migrantes, formas de vida. Marielle Macé. Bazar do Tempo.

Crítica da razão negra. Achille Mbembe. N-1.

Contra os filhos. Lina Meruane. Todavia.
resenha na edição 16

O novo Iluminismo. Steven Pinker. Companhia das Letras
ver p. 30

Subcidadania brasileira. Jessé Souza. LeYa.

Cultura brasileira hoje: diálogos.Flora Süssekind e Tânia Dias (org.). Fundação Casa de Rui Barbosa.

Esporte

A grande luta. Adriano Wilkson. Todavia.

Filosofia

Como nasce o novo.
Marcos Nobre.Todavia.
3 votos / resenha na edição 12

Hegel e o Haiti.
Susan Buck-Morss. N-1.
2 votos / resenha na edição 14

Com coerência e erudição, Buck-Morss examina os interstícios das relações
entre os conceitos de liberdade e escravidão na filosofia política europeia
(Pedro Paulo Pimenta, #14)

Desobedecer. Frédéric Gros. Ubu.
2 votos / resenha na edição 11

A aventura. Giorgio Agamben. Autêntica.

Nietzsche e a filosofia. Gilles Deleuze. N-1.

Grande Hotel Abismo.
Stuart Jeffries.
Companhia das Letras.
resenha na edição 15

Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental. Marco Antonio Valentim. Cultura e Barbárie.

História

Dicionário da escravidão e liberdade. Lilia Schwarcz & Flávio Gomes (org.). Companhia das Letras.
4 votos

Ser republicano no Brasil Colônia.
Heloisa Starling.
Companhia das Letras.
2 votos / resenha na edição 16

Clamar e agitar sempre:
os radicais da década de 1860.
J
osé Murilo de Carvalho.
Topbooks.
ver p. 44

A questão da culpa: a Alemanha
e o nazismo.
Karl Jasper.
Todavia.
resenha na edição 10

Memórias/Literatura

Viagem Sentimental.
Viktor Chklóvski. Editora 34.
ver p. 15

Um ano depois. Anne Wiazemski.Todavia.
resenha na edição 14

Música

Tropicália ou Panis et circensis.Pedro Duarte. Cobogó.

Tropicália rex. Liv Sovik. Mauad X.

Política

Como as democracias morrem. Steven Levitsky & Daniel Ziblatt. Zahar.
6 votos / resenha na edição 16

O desafio é criar mecanismos para uma grande democracia multirracial, heterogênea, e ao mesmo tempo, duradoura. Isso nunca foi conseguido (Diego Viana, #16)

Presidencialismo de coalizão. Sérgio Abranches. Companhia das Letras.
2 votos

Quem tem medo do feminismo negro? Djamila Ribeiro.
Companhia das Letras.
2 votos / resenha na edição 12

Desfazendo mitos, nomeando e atribuindo responsabilidade, o livro desmonta hipocrisias
de uma sociedade profundamente racista
(Yara Frateschi, #12)

Mulheres e poder: um manifesto. Mary Beard.
Crítica/Planeta.
resenha na edição 11

Dinheiro, eleições e poder. Bruno Carazza. Companhia das Letras.
resenha na edição 14

Mulher, Estado e revolução. Wendy Goldman. Boitempo.

Como a democracia chega ao fim. David Runciman. Todavia.
Resenha na edição 16

Medo: Trump na Casa Branca. Bob Woodward. Todavia.

Sociologia

A guerra: a ascensão do pcc
e o mundo do crime no Brasil.

Bruno Paes Manso & Camila
Nunes Dias.
Todavia.
3 votos / resenha na edição 15

O leitor acompanha fugas espetaculares, confrontos sangrentos, vinganças e operações financeiras
(Paula Miraglia, #15)

A violência das letras: amizade e inimizade na literatura brasileira (1888-1940). César Braga-Pinto. eduerj.

Irmãos: uma história do pcc. Gabriel Feltran. Companhia das Letras.
resenha na edição 15

Brasil: uma biografia não autorizada. Francisco de Oliveira. Boitempo.resenha na edição 18

Pela reiterada capacidade de sacudir os consensos fáceis e propor questões inesperadas,
é o tipo de livro que se deve ler aqui e agora
(Gabriel Cohn, #18)

Marx selvagem. Jean Tible. Autonomia Literária.

Quasi una fantasia.
Theodor Adorno.
Ed. Unesp.

Infantojuvenil

Poemas com macarrão. Fabrício Corsaletti. Companhia das Letrinhas.
8 votos / resenha na edição 16

Corsaletti resiste à exigência de deixar a infância: diz que “vento é que nem argila”, compara um vulcão a “um dragão enterrado” (Tarso de Melo, #16)

A vida não me assusta. Maya Angelou & Jean-Michel Basquiat. DarkSide.
5 votos / resenha na edição 15

Eu sou a monstra: Hilda Hilst para crianças. Hilda Hilst. Quelônio.
4 votos

Olavo. Odilon Moraes. Jujuba.
3 votos / resenha na edição 16

Odilon e alguns de seus colegas de geração foram responsáveis pelo forte desenvolvimento do livro ilustrado no Brasil (Bruno Molinero, #16)

Os figos são para quem passa.
João Gomes Abreu e Bernardo
P. Carvalho.
Chão da Feira.
2 votos

Minha família Enauenê.
Rita Carelli. FTD Educação.
2 votos / resenha na edição 16

O Capital para crianças. Liliana Fortuny. Boitatá/Boitempo.
2 votos

A menina dos livros. Oliver Jeffers
& Sam Winston.
Pequena Zahar.
2 votos / resenha na edição 12

A eleição dos bichos. Larissa Ribeiro, André Rodrigues, Paula Desgualdo & Pedro Markun. Companhia das Letrinhas.
2 votos / resenha na edição 16

Ótimo para introduzirmos na conversa com as crianças valores consolidados, para que elas possam começar a pensar na vida em sociedade (Conrado Corsalette, #16)

Malala e seu lápis mágico. Malala Yousafzai. Companhia das Letrinhas.
2 votos / resenha na edição 16

A mensagem sobre direitos humanos é espinhosa, mas a mensageira é graciosa. Ao final, quem sabe, sua história sirva de trampolim para ativistas-mirins (Fernanda Ezabella, #16)

Dois meninos de Kakuma.
Marie Ange Bordas.
Pulo do Gato.

Neném outra vez. Laerte Coutinho
& Maria Rita Kehl.
Boitempo.
Resenha na edição 16

Capital. Afonso Cruz.
SESI-SP.
Resenha na edição 16

Rã de três olhos. Olga de Dios. Boitatá/Boitempo.

Amoras. Emicida.
Companhia das Letrinhas.
Resenha na edição 16

Vovô Mandela. Zazi Mandela, Ziwelene Mandela & Zindzi Mandela. V&R Editoras.
Resenha na edição 16

Bulhufas, bugalhos bizarros. Penélope Martins. Editora de Cultura.

Um rei sem majestade. Adriana Lisboa. Rocco Pequenos Leitores.

O búfalo que só queria ficar abraçado. Thaís Laham Morello. Carochinha.

Que cabelo é esse, Bela?.
Simone Mota.
Editora do Brasil.

O Deus dinheiro. Karl Marx.
Boitatá/Boitempo.
Resenha na edição 11

 Fábulas por telefone. Gianni Rodari. WMF Martins Fontes

Alto, baixo, num sussurro.
Romana Romanyshyn & Andriy Lesiv.
Editora do Brasil.
Resenha na edição 16

A parte que falta encontra
o Grande O.
Shel Silverstein. Companhia das Letrinhas.

O urso que não era. Frank Tashlin. Boitempo.

Vovó veio do Japão. Janaina
Tokitaka, Raquel Matsushita,
Mika Takahashi & Talita Nozomi.
Companhia das Letrinhas.
Resenha na edição 16

Matéria publicada na edição impressa #19 dez.18/fev.19 em novembro de 2018.