Infantojuvenil,

O que mora na imaginação de uma criança

Livro de autora israelense mostra como uma garota imagina a vida dos seus vizinhos

01ago2019

Quanta coisa mora na imaginação de uma criança? É evidente que tal pergunta habita o campo da mais descompromissada retórica. Mas encontrar uma resposta, quem nunca tentou? Reside aí a busca de Einat Tsarfati em Os vizinhos. Esse percurso é luminoso, e o resultado, surpreendente.

A autora optou, ao caçar sua resposta, por observar o que existe nos arredores da vida de uma garota. Mais precisamente, nas vidas de seus vizinhos — ou, para ser de todo preciso, no que a personagem imagina que são essas vidas. Responsável pelo texto e pelas ilustrações, a escritora e ilustradora não se furtou a utilizar tantas ferramentas quantas lhe pareceram necessárias. Som, cheiro, luz, sombra, cor, em letras e imagens impactantes, pequenas porém detalhadas, diretas enquanto enigmáticas.

Nascida em Israel, Tsarfati se formou em comunicação visual em Jerusalém. Coautora de outro livro infantil, An After Bedtime Story [Uma história para depois de dormir, ainda não lançado no Brasil], ela se sai bem no imenso desafio de comunicar muito em pouco espaço, pré-requisito para quem tenta manter acesa a atenção de crianças.

Sua simplicidade não deixa espaço para simploriedade. Em seu trabalho cabem mistério, dinheiro, natureza e relações familiares. Entremeiam-se a narrativa realista e a mais desabrigada ficção, sem se saber quando uma acaba e a outra começa. Há também um convite ao pequeno leitor, instigado a reparar em detalhes, a avançar e voltar páginas, a fazer ligações com o que foi visto antes. A escritora sabe que pode confiar na memória infinita das crianças, leitores capazes de decorar passagens inteiras e livros completos, e que elas vão se lembrar do convite.

A conduzir a história, está a protagonista subindo os degraus do prédio.  Andar por andar, a descoberta do mundo que pode, talvez, morar dentro de casa. Se esse mundo de fato está lá, pouco importa. Pois acaba o leitor com uma certeza: a de que esse mundo reside na imaginação infantil, vasta e surpreendente, renovada e processada cada vez que uma cabecinha encosta no travesseiro à noite.

Este texto foi realizado com o apoio do Itaú Social

Quem escreveu esse texto

Roberto Dias

Jornalista, é secretário de Redação da Folha de S.Paulo.