Listão da Semana,

O encontro marcado de Fernando Sabino, Slavoj Žižek e mais 14 lançamentos

Com carta de Clarice Lispector, escritora e amiga de Sabino, uma edição especial do romance ‘O encontro marcado’ celebra os cem anos do nascimento do cronista mineiro

04out2023 - 14h16 | Edição #74

Há cem anos, nascia o escritor mineiro Fernando Sabino, no “dia da criança que sou até hoje”, como ele dizia. Para comemorar o centenário, chega às livrarias esta semana uma edição especial de O encontro marcado, romance fundamental da obra do cronista, romancista e editor. 

A semana também traz um ensaio do polêmico filósofo esloveno Slavoj Žižek, o novo romance de Bernardo Carvalho, Mathieu Lindon contando de sua amizade com Michel Foucault, a poesia de Donizete Galvão, uma novela de Aldri Anuncição, a história da imaginação pelo historiador Felipe Fernández-Armesto, romances da escritora palestina-americana Etaf Rum e da sul-coreana Han Kang e muitas novidades quentinhas, num total de dezesseis lançamentos.

Viva o livro brasileiro!

O encontro marcado (edição especial). Fernando Sabino.
Record • 336 pp • R$ 109,90

Para comemorar o centenário do nascimento do escritor mineiro, a Record lança uma edição especial, em capa dura, do grande romance de formação que descreve as angústias de um jovem escritor. O volume traz uma apresentação do escritor Michel Laub e uma história da recepção do livro pelo filósofo e livreiro Adauto Leva, além de uma carta de Clarice Lispector a Sabino sobre O encontro marcado.  

Em resenha que prepara a Quatro Cinco Um, o jornalista Guto Alves escreve que o romance é o grande divisor de águas na carreira de Sabino. “Para Rodrigo Lacerda, editor que organizou, em 1996, a obra reunida de Fernando Sabino (Ed. Nova Aguilar) e agora a edição comemorativa de O encontro marcado, o livro marca um estilo narrativo que acabaria por preconizar um estilo de linguagem literária, mais influenciada pela norte-americana que a francesa. A rapidez do texto, as frases curtas, muito diretas, o ritmo acelerado da prosa. Só está no texto aquilo que é absolutamente necessário, analisa o editor. […] A escritora e amiga Clarice Lispector escreveu a Sabino uma carta, a seu pedido, para falar do então novo livro. Ela se diz surpresa pelas frases cortantes que parecem ‘ter a intenção de não dizer nada mais do que dizem, conta Alves.

Leia também: Ao reunir Fernando Sabino e outros cinco cronistas clássicos, Os sabiás da crônica aponta ainda para uma história do gênero livre de nostalgia e mistificações do carioquismo caricato

Assinantes da Quatro Cinco Um têm 30% de desconto no site do Grupo Editorial RecordConheça o nosso clube de benefícios, que dá descontos em livros, eventos e mais.

———

Uma esquerda que ousa dizer seu nome: 34 intervenções inoportunas. Slavoj Žižek.
Trad. Fabio Creder • Vozes • 336 pp • R$ 87

O filósofo esloveno provocador e midiático faz aqui uma análise crítica da sociedade contemporânea que destaca o aguçamento das contradições do capitalismo (o colapso climático, o controle digital sobre os indivíduos, a explosão do número de refugiados) e a necessidade de uma solução radical, que demanda uma esquerda que aceite sujar suas mãos no mundo real da política em vez de desperdiçar suas energias em uma guerra cultural inócua.

Leia tambémLiberalismo de esquerda — Arminio Fraga tenta persuadir tecnocratas e intelectuais de que reduzir a desigualdade é condição necessária para o crescimento

———

Os substitutos. Bernardo Carvalho.
Companhia das Letras • 232 pp • R$ 69,90

Ganhador dos prêmios Jabuti, APCA e Portugal Telecom, o escritor carioca descreve neste romance ambientado na época da ditadura militar o complicado relacionamento entre um empresário – envolvido com nebulosas transações com madeira extraída da Amazônia – com seu filho de onze anos, ávido leitor de ficção científica, muito atento à destruição do planeta. Os dois partem numa viagem à Floresta Amazônica num bimotor. 

Leia também: De Bernardo Carvalho a Chico Buarque, passando pelos quadrinhos de Confinada, a ficção traz as verdades desagradáveis do projeto suicida que o Brasil escolheu

Assinantes da Quatro Cinco Um têm 25% de desconto no site da Companhia das LetrasConheça o nosso clube de benefícios, que dá descontos em livros, eventos e mais.

———

O que amar quer dizer. Mathieu Lindon.
Trad. Marília Garcia • Editora Nós • 208 pp • R$ 76

Ganhador do Prêmio Médicis de 2011, o livro narra a forte amizade do jovem Lindon (filho do fundador da Èditions de Minuit, que publicava autores como Samuel Beckett, Claude Simon e Marguerite Duras) com Michel Foucault, que lhe emprestava seu apartamento e o acompanhava em suas aventuras. Ele não assistia aos cursos do grande filósofo, pois tinha a impressão de que Foucault não gostaria disso. Mas foi o amigo que lhe salvou a vida, deixando lembranças que ainda hoje o reconfortam.

Leia também: Martin Amis e Mathieu Lindon lembram que há uma arte tão difícil quanto a de perder — a de sobreviver às perdas

———

Poesia reunida. Donizete Galvão.
Org. Paulo Ferraz e Tarso de Melo • Círculo de Poemas • 528 pp • R$ 99,90

Contém todos os nove livros de poemas publicados pelo escritor mineiro Donizete Galvão (1955-2014) desde Azul navalha (1988), ganhador do prêmio APCA, até sua obra póstuma O antipássaro (2014):

“Meu medo maior
não é do corte necessário
em direção ao maduro.
Temo as horas mornas dos dias infindos
quando o ser estanca cansado de si.
As frutas apodrecem nas geladeiras.
Os passarinhos morrem nas gaiolas”.

Leia tambémPoemas de Drummond e Hilda Hilst ganham versões ilustradas para crianças

———

Pretamorphosis: biografia não-autorizada de um ex-branco. Aldri Anunciação.
Malê • 114 pp • R$ 48

Novela do autor de Namíbia, não!, vencedor do Jabuti 2013 que inspirou o filme Medida provisória, dirigido por Lázaro Ramos. Na novela, um homem branco de classe média acorda certo dia com um pequeno sinal preto na mão esquerda. Aquilo que parecia ser apenas uma pequena mancha se expande pelo corpo inteiro e logo ele se transforma num negro, que passa a sofrer todos os preconceitos de uma sociedade racista. Obrigado a encarar sua namorada, sua família e seus colegas, ele empreende uma jornada para resgatar sua identidade.

Leia também: Ganhadora do Nobel de Literatura toca na questão da identidade negra que se dá por meio da cor

———

Uma história da imaginação: como e por que pensamos o que pensamos. Felipe Fernández-Armesto.
Trad. Carlos Afonso Malferrari • Zahar • 544 pp • R$ 149,90

Professor da Universidade de Notre Dame, o historiador britânico esboça uma história global das ideias desde a pré-história, apontando suas origens e suas conexões e ligando a Europa a outros polos culturais como a China e o Oriente Médio. Ele revela que as noções de um Deus amoroso ou a de que todos os homens são iguais não surgiram exatamente onde pensamos.

Leia também: Hilda Hilst duela com Deus — Criticada por ser hermética, sua poesia sempre foi uma tentativa de se comunicar com o outros

Assinantes da Quatro Cinco Um têm 25% de desconto no site da Companhia das LetrasConheça o nosso clube de benefícios, que dá descontos em livros, eventos e mais.

———

Eu não quero contar uma história. Etaf Rum.
Trad. Diego Franco Gonçales • Primavera • 360 pp • R$ 64,90

O segundo livro da escritora palestina-americana acompanha a trajetória de Yara. Criada em uma família palestina bastante conservadora no Brooklyn, ela acreditava que alcançaria sua liberdade ao se casar com um empresário. Conseguiu se graduar em Artes e obteve emprego em uma faculdade, mas precisava cumprir as tarefas de uma esposa tradicional, cuidando das duas filhas e preparando o jantar para o marido todos os dias. E acaba entrando em crise. 

Leia também: Em romance, a busca de informações sobre o assassinato de uma jovem beduína em 1949 é metáfora para tratar da ocupação da Palestina no presente

———

O livro branco. Han Kang.
Trad. Natalia T. M. Okabayashi • Todavia • 160 pp • R$ 64,90

Autora de A vegetariana (2018), a escritora sul-coreana descreve uma narradora que, ao visitar uma cidade europeia coberta pela neve, recorda-se de sua irmã, que morreu ainda recém-nascida nos braços de sua mãe. Traumatizada por esse luto que definiu o destino de sua família (será que ela mesma teria chegado a nascer se sua irmã tivesse sobrevivido?), ela se concentra na cor branca — a cor do leite materno e das fraldas, mas também da neve, do sal, do arroz, dos cabelos dos velhos – para refletir sobre a morte e o renascimento.

Leia também: A vegetariana, de Han Kang, faz retrato poderoso e violento da sociedade coreana

Assinantes da Quatro Cinco Um têm 20% de desconto no site da TodaviaConheça o nosso clube de benefícios, que dá descontos em livros, eventos e mais.

——— 

Vapt-vupt
+ novidades quentinhas

Ébano sobre os canaviais. Adriana Vieira Lomar.
José Olympio • 240 pp • R$ 59,90

Ganhador do prêmio Kindle de 2022, o livro narra a história de um casal formado por uma negra alforriada e um português, que enfrentam um racismo silencioso.

Gandhi e Churchill: a rivalidade épica que destruiu um império e forjou nossa era. Arthur Herman.
Trad. Renato Prelorentzou • Record • 826 pp • R$ 189,90

O historiador norte-americano narra as trajetórias dos dois líderes políticos, que tinham posições diametralmente opostas em relação à independência da Índia.

Montevidéu. Enrique Vila-Matas.
Trad. Júlio Pimentel Pinto • Companhia das Letras • 240 pp • R$ 99,90

Ganhador dos prêmios Herralde, Médicis e Rómulo Gallegos, o autor espanhol descreve um protagonista obcecado por portas que se desloca por várias cidades do mundo.

Violência. Fernando Bonassi.
Record • 352 pp • R$ 59,90

No novo romance do dramaturgo e cineasta paulista, um assaltante invade a residência onde estão jantando um assessor político, um escritor e uma professora universitária.

A ilha das afeições. Patrícia Lino.
Círculo de Poemas • 32 pp • R$ 40

Plaquete em que a poeta portuguesa fala de duas mulheres que viajam a um país imaginário, onde se fala o idioma dos passarinhos e cachalotes flutuam num céu aquático.

Eutonia: equilíbrio mente-corpo. Miriam Dascal.
Edições Senac • 148 pp • R$ 80

A bailarina e coreógrafa expõe os princípios dessa terapia corporal que permite que cada pessoa expresse sua personalidade e participe de um processo de criação coletiva.

O coração das trevas. Joseph Conrad.
Trad. e intr. Marcos Santarrita • Nova Fronteira • 144 pp • R$ 49,90

Nova edição do célebre romance de 1902, uma das obras mais traduzidas no Brasil, acompanhada de um prefácio inédito do roteirista e diretor de TV André Barcinski.

———

Faça parte da revista dos livros! Assine a Quatro Cinco Um.

Quem escreveu esse texto

Iara Biderman

Jornalista, , editora da Quatro Cinco Um, está lançando Tantra e a arte de cortar cebolas (34)

Mauricio Puls

É autor de Arquitetura e filosofia (Annablume) e O significado da pintura abstrata (Perspectiva), e editor-assistente da Quatro Cinco Um.

Matéria publicada na edição impressa #74 em setembro de 2023.