Listão da Semana,

Impressão da irrealidade

‘O pequeno livro do grande terremoto’ compara a tragédia lisboeta ao ataque às Torres Gêmeas e outros desastres de grandes proporções

26jul2022 - 14h46 | Edição #60

À semelhança de como as pessoas costumam hoje lembrar onde estavam durante os atentados do 11 de Setembro, recordarão também, em anos vindouros, os dias que precederam a súbita escalada do novo coronavírus. É o que Rui Tavares descreve como uma impressão da irrealidade: “O solo que se pisava parecia diferente e no dia seguinte, ao acordar, muita gente se terá perguntado se tudo aquilo tinha realmente acontecido”. Escritor e deputado português, ele é autor de O pequeno livro do grande terremoto, que chega nesta semana às livrarias pela Tinta-da-China Brasil. Tavares compara a tragédia lisboeta ao ataque às Torres Gêmeas e outros desastres de grandes proporções, indagando de que modo as catástrofes mudam a nossa percepção de mundo.

Completam a seleção da semana um clássico da francesa Violette Leduc, a história da maconha no Brasil, romances do sul-africano Damon Galgut e do brasileiro Luís Francisco Carvalho Filho e uma biografia do martinicano Frantz Fanon.

Viva o livro brasileiro!

Assine a newsletter Listão da Semana: uma curadoria dos melhores títulos que chegam às livrarias brasileiras ao longo da semana

O pequeno livro do grande terremoto: ensaio sobre 1755. Rui Tavares.
Tinta-da-China Brasil • 244 pp • R$ 69,90

O escritor e deputado português Rui Tavares compara o impacto do terremoto que destruiu Lisboa no século 18 aos incêndios de Roma em 64 d.C., ao ataque às Torres Gêmeas de 2001 e ao tsunâmi no sul da Ásia em 2004, e reflete sobre o modo como as catástrofes mudam nossa percepção do mundo. Voltaire, Rousseau e Kant também já escreveram sobre o fenômeno, que provocou um imenso estrago nas concepções otimistas sobre o progresso humano. Publicado em Portugal em 2005, por ocasião dos 250 anos da catástrofe, o livro foi considerado o Melhor Ensaio do ano em 2006 (Público/RTPN) e já foi traduzido para o russo, o inglês e o italiano.

“Exercícios de história contrafactual costumam ser inócuos. Este não. Mostra o que o terremoto trouxe a Lisboa, permitindo que ela se reconfigurasse”, escreve Pedro Paulo Pimenta ao resenhar o livro na Quatro Cinco Um. Leia o texto na íntegra.

———

A bastarda. Violette Leduc.
Pref. Simone de Beauvoir • Trad. Marília Garcia • Bazar do Tempo • 528 pp • R$ 88

Publicada em 1964, a autobiografia ficcionalizada da escritora francesa Violette Leduc se tornou seu romance de maior sucesso. Leduc estreou na literatura em 1946 com A asfixia, editado por Albert Camus. Criada por uma mãe solteira e extremamente rígida, que a desprezava e a culpava pelos seus problemas, ela se julgava feia e sem atrativos, mas inspirava paixões em homens e mulheres. O volume traz um excelente prefácio de Simone de Beauvoir.

Leia também: Biógrafa de Beauvoir fala da ética envolvida ao escrever sobre a vida de mulheres e os feminismos contemporâneos.

———

História da maconha no Brasil. Jean Marcel Carvalho França.
Jandaíra • 168 pp • R$ 52,90

No final do século 16, dois vice-reis do Brasil tentaram, sem sucesso, incentivar a cultura do cânhamo no sul do país. Coube ao naturalista austríaco Carl Friedrich Ph. von Martius, em 1853, a primeira menção às propriedades médicas da planta em solo brasileiro, seguido, em 1908, pelo médico polonês Pedro Luiz Napoleão Chernoviz. Este, no entanto, reputava o hábito de consumir cânabis como um legado nefasto da população negra no Brasil, e o gradativo crescimento dessa percepção, junto a uma campanha internacional de difamação, culminou na sua proibição no país em 1936. Para além dos benefícios e malefícios, Jean Marcel Carvalho França foca neste livro o percurso histórico da maconha no Brasil, apresentando as concepções sobre ela do período colonial até hoje. França é professor de história na Universidade Estadual Paulista (Unesp) e autor de Literatura e sociedade no Rio de Janeiro oitocentistaA construção do Brasil na literatura de viagem dos séculos 16, 17 e 18.

Leia também: Livro destaca o embasamento científico, a legitimidade cultural e a aceitação social da maconha para além do que diz o governo.

———

A promessa. Damon Galgut.
Trad. Caetano W. Galindo • Record • 308 pp • R$ 69,90

O escritor e dramaturgo de Pretória ganhou o Booker Prize de 2021 com este drama épico sobre a África do Sul. O livro acompanha três décadas de vida de uma família sul-africana — e da empregada negra que trabalhou a vida inteira para eles: “O meu avô sempre falava dela assim, Ah, a Salome, ela veio junto com a terra”. As personagens se reúnem em quatro funerais enquanto o país assiste ao fim do apartheid e à queda do regime racista. Galgut é autor também de The Good Doctor (2003).

Leia também: Inspiradora, história de Mandela é oportuna para discutir a justiça racial no Brasil.

Assinantes da Quatro Cinco Um têm 30% de desconto no site da editora Record. Conheça o nosso clube de benefícios.

———

Vou sumir quando a vela se apagar. Diogo Bercito.
Intrínseca •  216 pp • R$ 54,90/26,90

Profundo conhecedor da cultura e da história dos povos árabes e autor de Brimos (Fósforo, 2021), no qual descreve a imigração sírio-libanesa no Brasil, o jornalista e escritor paulistano Diogo Bercito lança seu primeiro romance. A trama, que envolve imigração, identidade, amor e mitologia, é centrada em dois amigos inseparáveis, Yacub e Butrus, e se passa entre um pequeno povoado da Síria e a efervescente São Paulo do início dos anos 30.

Leia também: Diego Bercito resenha a tradução do árabe de textos integrais inéditos do Livro das mil e uma noites

———

Frantz Fanon: um retrato. Alice Cherki.
Pref. Priscilla Santos • Trad. Rainer Patriota • Perspectiva • R$ 84,90

A psicanalista argelina Alice Cherki, que foi aluna e depois colega de Frantz Fanon de 1955 a 1961, na Argélia e na Tunísia, assina esta biografia do psiquiatra martinicano. Ela descreve o envolvimento de Fanon na luta pela libertação da França na Segunda Guerra, seus estudos em Lyon, a origem de suas ideias sobre psiquiatria, seu trabalho no Hospital de Blida, em Argel, sua participação na luta pela independência, seus últimos anos e o legado deixado por sua obra.

Leia também: Coleção de textos mostra como Frantz Fanon articula de forma pioneira o antirracismo à prática clínica.

———

Newton. Luís Francisco Carvalho Filho. 
Fósforo • 136 pp • R$ 54,90/34,90

O processo kafkiano enfrentado por Newton, um escritor sem diploma universitário que expõe opiniões um tanto esdrúxulas em um blog na internet, é o cerne do romance do paulistano Luís Francisco Carvalho Filho, que resgata a atmosfera trágica de seu livro de contos Nada mais foi dito nem perguntado (Editora 34, 2001), adaptado para o teatro pelo grupo Folias D’Arte. Carvalho Filho é advogado e ex-presidente da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos do Ministério da Justiça.

Trecho do livro: “Minha situação é grave. Eu não posso simplesmente emigrar. Eu não tenho documentos. A arbitrariedade que me atinge, ou, se preferir, a política de Estado que aqui se pratica, pelo menos comigo, é a de não fornecer documento sem que eu identifique a cidade e a data de nascimento, os meus ancestrais. Eu sou apenas Newton, sem sobrenome, sem documentos, sem registro de filiação. Vivo assim há décadas, jamais pratiquei um crime”.

———

Faça parte da revista dos livros! Assine a Quatro Cinco Um.

Quem escreveu esse texto

Marília Kodic

Jornalista e tradutora, é co-autora de Moda ilustrada (Luste).

Mauricio Puls

É autor de Arquitetura e filosofia (Annablume) e O significado da pintura abstrata (Perspectiva), e editor-assistente da Quatro Cinco Um.

Matéria publicada na edição impressa #60 em julho de 2022.